31 de dez de 2010


FELIZ ANO NOVO !!!


13 de dez de 2010

Não Temas....





NÃO TEMAS PORQUE EU SOU CONTIGO;
NÃO TE ASSOMBRES PORQUE EU SOU TEU DEUS, EU TE FORTALEÇO E TE AJUDO, E TE SUSTENTO COM MINHA DESTRA FIÉL.

EIS QUE ENVERGONHADOS  E  CONFUNDIDOS SERÃO TODOS OS QUE ESTÃO INDGNADOS CONTRA TI,
SERÃO REDUZIDOS A NADA , E OS QUE CONTENDEM CONTIGO PERECERÃO.


assim diz o Senhor :..todo o que é nascido de Deus vence o mundo;
e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé."

1 João 5:4


Pela fé qualquer situação pode ser mudada...
Não importa quão difícil ela possa parecer,
basta erguer o coração a Deus pela fé,
e num momento tudo se alterará...
Deus tudo pode, e num segundo Ele
pode transformar a derrota em
vitória, devemos confiar.


Confie em Deus...
Tenha fé!

Que o Senhor, te abençõe !

A PAZ !!

O próposito da glória de Deus em nós


Por que Deus permite manifestar a Sua Glória dentro de nós?
 – Bem, para compreendermos isso, temos que saber primeiro que Deus é um Deus de propósito.
 E, segundo, que ao criar o homem, Ele o fez com um alvo: relacionamento. Só podemos saber o intento de um objeto na mente de quem o idealizou. O propósito de uma criação está na mente do seu criador.

Deus colocou semente nos homens. Por quê?
 – Porque Ele trabalha com linhagens e gerações e queria que o homem “plantasse” as sementes. Ele não é Deus de um homem só; é o Deus de Abraão, de Isaque, de Jacó, de Israel e da Igreja.
Ele transcende gerações e coloca nos homens capacidade de guardar o que são capazes de gerar.
Deus quer que geremos – é fato. Mas não é só isso. Ele quer que sejamos mentores do desígnio daqueles a quem geramos, passando-lhes o Propósito.
Quando Deus criou o Adão biológico (Gn 1:28), colocou-o nas trevas de um planeta dominado, para que ele, como agente de Deus, manifestasse a Sua luz; para que do caos ele pudesse extrair beleza e prazer. Nós somos a luz deste mundo trevoso e não podemos nos esquecer de que precisamos levar a luz por onde formos.
Estamos ainda no meio do caos porque Deus ainda tem um propósito para que estabeleçamos beleza e ordem no meio da desgraça. Isso vai além de estarmos na igreja aprovados moralmente, de sermos “santinhos” para um dia morarmos no Céu.
 Precisamos ser iniciadores e disseminadores de linhagens – linhagens santas e separadas pra Deus.
Você não sabe o que vai dentro de uma criança, nem o que ela poderá vir a ser, mas poderá semear nela o que Deus quer que ela seja, e crer que Deus é fiel para abençoar a sua semente, porque Ele disse que em Abraão todas as famílias da Terra seriam benditas.

Alcançar um propósito é a fonte de toda e verdadeira realização. Sem propósito a vida deixa de ser uma experiência realizadora e passa a ser só experimento; ou seja, nada.
Quando o propósito de Deus não é conhecido, o desperdício da vida é inevitável.
Você não é como é por acaso; Deus o projetou para um alvo especial. O alvo de Deus para cada homem é que ele seja um iniciador de uma linhagem para Deus e que seja como um vaso que contenha a Sua glória. Quando nascemos de novo, o propósito de Deus começou a se desenvolver em nós: começamos uma linhagem; uma geração.
 E Deus quer que ela seja para a Sua glória.
 Você pode entender isso?

No Velho Testamento há seis palavras em hebraico que são traduzidas para “homem” no português, mas cada uma delas tem um significado diverso e específico. Só de conhecermos o seu significado, já temos boa parte do propósito de Deus revelado, com respeito ao que Ele espera de nós como Suas criaturas e filhos.

1. Adam. Significa: “criado para um grande propósito”.
2. Zacar. Significa “gerar”.
3. Guibor. Significa “guerreiro”.
4. Enoch. Significa “feridas” acumuladas no trabalho de Deus.
5. Iche. Significa “eu tenho experiência”.
6. Zaquem. Significa “maduro”; “pai”.

Veja bem. Se seguirmos os significados que o termo “homem” tem na Bíblia, veremos o propósito de Deus nitidamente.
 Primeiro, existimos para algo maior do que simplesmente comer, beber, dormir, nos divertir, alcançar sucesso e morrer.
Existimos para glorificar ao nosso Criador.
Para que a glória de Deus se expresse através de nós de forma adequada, melhor que nos multipliquemos em milhares de vasos disponíveis a mostrar a Sua expressão ao mundo. Isso é gerar. Mas claro que o gerar traz embutido o princípio de cuidarmos de quem geramos.
Mas devemos também lutar pelos outros; pelos irmãos mais fracos; pelos filhos que geramos; até vê-los maduros e cheios de encargo por outros. Deus espera que protejamos e defendamos aqueles a quem geramos.
Nossos filhos dependem de nós enquanto crianças. Somos responsáveis por guardá-los do mal.
Enquanto apascentamos as ovelhas que Deus nos dá, muitas vezes nos ferimos – isso também é fato.
 Na vida cristã vitoriosa, são muitas as cicatrizes que acumulam os obreiros que não retrocedem.
Elas são as marcas de Jesus, que vão além de cicatrizes físicas.
São marcas de investimentos que não deram certo, de traição, de preços pagos por quem nunca deu valor - cicatrizes da Obra; sangue vivo nas mãos que semeiam entre espinhos; calos forjados pela Cruz.
Estas são as marcas de quem suporta pressão e ataques do inimigo por guardar a vida do próximo.
Todos precisamos passar por estas fases para amadurecermos na fé e na experiência com Deus. Mas nelas é que vemos com mais nitidez a Sua glória.
A experiência traz consigo o encargo e a autoridade para ensinar a outros; para mentorear. É tempo de treinarmos líderes e despertarmos potencial nas ovelhas a quem apascentamos.
Deus quer que você seja um investidor; um treinador.
 O bom pai não é aquele que só põe comida no prato do filho; é aquele que o guarda de influências maléficas e mentoreia seu potencial.
Uma coisa é experimentarmos a glória de Deus; outra é investirmos essa glória em gente, para que ela atinja e mude a vida de outros. Quando falo disso, falo da edificação de uma geração.
Deus deseja que sejamos instrumentos em Suas mãos para gerarmos uma linhagem capaz de cumprir o Seu propósito.
Nós já somos o fruto da linhagem de alguém no passado – a partir de Abraão.
Mas, o que Deus deseja para nós vai muito além disso.

A Bíblia não é cheia de genealogias à toa. Deus respeita as gerações. Ele é o Deus de Abraão, mas também de Isaque, de Jacó, de Israel, etc. O propósito de Deus é que cada um de nós comece uma linhagem santa, expressa pelos nossos filhos naturais e também pelos nossos filhos espirituais.
Precisamos ter a consciência de que a partir de nós também, Deus vai começar uma linhagem, uma geração santa e consagrada. E para que Ele tenha isso, precisamos estar dispostos a pagar o preço que a Obra requer.
Eu posso dizer-lhe que estou totalmente envolvido nesse projeto. E quanto a você? Está pelo menos disposto a se envolver?

3 de dez de 2010

O "grão" que remove "montes"

 


“... se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá e há de sair.”Mateus17: 20.

Somos um elemento entre o macro e o micro cosmos. Entre as nebulosas, gigantescas galáxias e os milhões de estrelas ao minúsculo átomo, e nas pequenas partículas de elétrons e prótons e quarks; conceitos da física quântica.

Em algum ponto estamos nós. Aqui se apercebe um contraste gigantesco. Uma dúvida emerge em nosso fraco entendimento. O que somos nesse universo?    Ora somos gigantes, ora somos minúsculos, o pior é que de uma forma ilusória nós damos a interpretação do tamanho que quisermos a essa breve vida terrena, depende da arrogância ou da humildade de cada um.

Para muitos a vida é imensa, para outros ela se torna estafante e depressiva, depende do ponto de vista de cada um. Nossa história é muito curta, pois nosso tempo de vida é pequeno se comparado com a eternidade.

Nesse universo complexo de multi-coisas criadas, aos quais estamos inseridos, nesse contexto entre o macro e o micro cosmos só há uma forma de compreender os propósitos para viver uma vida com qualidade. A Bíblia diz que a única maneira de dimensionarmos isso é aceitar pela fé o fato de que Deus está no controle de todas as coisas, e Seus propósitos são maiores que a nossa vida.

Observe a metáfora que Jesus se utiliza para explicar a fé criativa. “... se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá e há de passar.” Mateus 17:20.    Por um lado um grão, de mostarda simbolizado pela fé, por outro lado o monte, representando algo a ser removido.

Vejam que coisa diminuta que é um grão de mostarda e veja que coisa imensurável comparada a ele, uma montanha.   Um universo que se define entre o micro e o macro cosmos. A pergunta inquietante é: Como com tão pouco eu consigo tanto?

Nessa analogia entre o grão da mostarda e a montanha, Jesus quer dizer que eu devo construir meu relacionamento com Deus através da fé, não me baseando em coisas grandes, imensuráveis, mas numa coisa minúscula comparada a um grão de mostarda.

Portanto a fé representada na parábola pelo grão de mostarda é a confiança que devemos ter em Deus como providencia para nos guiar e orientar na nossa efêmera vida terrena; isso tem uma explicação simples exemplificado pelas dimensões de um grão de mostarda. Quando assim acontecer, ela  a fé será tão poderosa que poderá remover os montes.

Pegue um grão de mostarda e estude os detalhes através de uma lente microscopia e verá que ele é de perfeito entendimento, não se exige muito conhecimento técnico para compreendê-a.    Um grão de mostarda é diminuto e de fácil compreensão. Qualquer criança pode ter esse conhecimento.

Mas essencialmente, esse “grão de mostarda” tem o potencial da vida dentro dele, que germinará se o adequarmos às condições ideais para que cresça. É claro que Jesus nos ensina algo muito precioso que não deve passar despercebido. Não se trata de uma causa e efeito, ou seja, um simples grão de mostarda removendo um monte; a desproporção é imensa e não é isso que se refere.

Jesus não quer que os homens mudem a geografia fisica da terra.  O que devemos aprender é que um grão de mostarda literalmente não pode remover um monte, mas a lição que se subtrai, é que pode conectar o poder de Deus.

Essa parábola ensina que uma causa humana pode provocar uma reação divina e desencadear o processo da remoção dos “montes”. Não é um processo de causa e efeito, mas sim um processo de uma causa humana que pode provocar um efeito divino. A fé é uma graça divina, e atua de forma subjetiva, pois é dom de Deus, portanto ela não é apenas atuante, mas desencadeante.

É quando o micro assume o macro, ou seja, a fé liga o imensurável, ela abre as mãos de Deus como se O constrangêssemos a dar-nos o que lhe pedimos. O micro interagindo no macro, como um pequeno interruptor acionasse a luz numa sala; um aperto de um gatilho disparasse um tiro. “Igualmente “se eu uso um “grão” de fé removo um” monte” de obstáculos. O diminuto interagindo no imensurável. A conversão de Zaqueu; de ladrão a santo; da mulher do fluxo de sangue  a libertação total. “Vai mulher, tua fé te salvou”.

De o diminuto ser nesse laptop nessa hora da madrugada a filho de Deus pelo novo nascimento pela fé de Nosso Senhor Jesus Cristo. Quero a fé no formato do grão de mostarda. O finito alcançando o imensurável, somente assim poderemos assimilar as verdades do evangelho e remover as montanhas que impedem de construir um relacionamento correto com Deus e com as pessoas em meu derredor.
“A parábola do grão da mostarda ensina o processo de uma causa humana que pode provocar um efeito divino.”

Sinceridade Não Basta



 
         Eu posso ser sincero, mas posso estar errado. Isto é verdadeiro e não podemos de forma alguma contrariar esta afirmação.
.
         Dizem por aí certo ditado enganoso: "Não importa em que você creia, desde que seja sincero"

. Isto, provavelmente, parte do pressuposto de que todas as religiões são boas - desde que seguidas com sinceridade - e todas têm como destino o Céu. Mas a coisa não é bem assim!

         Se você conhece um pouquinho de Bíblia, sabe que o apóstolo Paulo, além de zeloso, era muito sincero quando perseguia os cristãos. Mas ele precisava de um novo coração, um novo nascimento espiritual. Por mais zelo que tivesse, e por mais sincero que fosse, se não mudasse de vida, se não tivesse tido um encontro com Jesus, teria perdido a sua alma no fim.
         As cinco virgens néscias eram muito sinceras quando foram assistir a um casamento.
Elas até imploraram ao Noivo: "Senhor, senhor, abre-nos a porta!"
 A resposta que elas ouviram de dentro foi: "Em verdade vos digo que não vos conheço" (Mateus 25.1-13).
         Os profetas de Baal estavam sendo totalmente sinceros quando clamaram a seus deuses para consumir o sacrifício com fogo - tão sinceros, inclusive, que chegaram a cortar-se com facas e lancetas, até o sangue escorrer, mas não obtiveram qualquer resposta de seus deuses (1Reis cap. 18).

         Também os idólatras são muito sinceros quando adoram as suas imagens de gesso, pau e pedra.
 Os faquires hindus que fazem longas peregrinações, ou se deitam por anos em camas de pregos; e todos os que tomam banhos nas águas "sagradas" do rio Ganges, também são sinceros. 
Os muçulmanos que param todos os seus afazeres cinco vezes ao dia e caem de joelhos onde quer que estejam e fazem suas rezas a Alá; também eles são muito sinceros, mas sem o Salvador Jesus Cristo estão todos perdidos.

         Agora, um aviso aos "evangélicos de carteirinhas". Jesus deixa bem claro:
"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus"  (Mateus 7.21).

         Muitos acreditam que têm um lugar reservado no Céu porque nesta vida estão profetizando no nome do Senhor, expulsando demônios em Seu nome, e fazendo "grandes" obras com sinais e "maravilhas" que não existem na Bíblia. Mas Jesus dirá naquele dia àqueles que têm suas "unçãos" estranhas e estão engordando cada dia mais:
"Nunca vos conheci.  Apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade!" (Mateus 7.23).

         Seja sempre sincero, mas esteja com o certo e verdadeiro -
                         O JESUS DAS ESCRITURAS.

         E não seja mais um religioso, seja um crente em Jesus.

22 de nov de 2010

A invocação a Maria não está nas origens do cristianismo



 

O Cristianismo tem as suas origens nas raízes judaicas de Abraão, Isaque e Jacó. Para qualquer cristão da Igreja primitiva, o cristianismo não era uma outra religião, mas sim o desembocar natural de todas as promessas que Deus fizera no Velho Testamento acerca da vinda do Messias.

 Foi de lá daquelas origens que o cristianismo veio. Ele veio do judaísmo e quem lê o Velho Testamento nota o zelo de Deus contrário à invocação de quem quer que seja. Não há nenhum "São Moisés" e nenhum "São Isaías", também não há "São Samuel" e não há registro de nenhum "São Davi". Era simplesmente inconcebível rezar para Davi, ou Ezequiel ou invocar a ajuda de qualquer santo defunto. Além disso, quem lê o Velho Testamento vai perceber a tradição divina contrária a QUALQUER TIPO DE, IMAGEM OU ESCULTURA usado como objeto de devoção ou representação de pessoas que estão com Deus.
O Senhor manifesta a mais drástica repulsa contra qualquer forma de invocação de mortos ou representação de imagens.
 Pergunto a você, Deus mudou?
 O que era inaceitável, agora passou a ser?

 O fato do Senhor dizer claramente "NÃO FARÁS PARA TI IMAGEM DE ESCULTURA NEM DE COISA ALGUMA EM CIMA DO CÉU... NÃO AS ADORARÁS", perdeu a validade?

 Daí vem alguns queridos irmãos católicos a dizer que não é adoração... é somente a imagem de alguém querido que se quer lembrar.
Mas para isso é dada essa ênfase tão grande a Maria?
A senhora é levada em inúmeras procissões, fazem-lhe festas, consagram-lhe catedrais suntuosas, oferecem a ela o símbolo da realeza - como fez a família real portuguesa há séculos - dão a ela (mas não a CRISTO) uma data oficial e comemorativa com o título de padroeira... Não é estranho para você que os apóstolos em nenhum lugar dizem que faziam isso?
Não é estranho que nunca ensinam coisas como essas?
A ênfase exagerada de hoje é um contraste com a completa ausência e falta de importância dada a esse assunto pelos apóstolos.

 Eu prefiro ser fiel a essa tradição mais antiga.


Pastor Marcelo Almeida.



Eu trouxe esse pequeno pássaro,pois quero que você veja como ele é pequeno na minhas mãos.
Muitas pessoas nunca saem da posição em que se encontram porque seus problemas são como esse pássaro,não são suficientemente grandes,a ponto de impulsioná-las para a frente.

Muitas vidas são desperdiçadas em meio a lutas pequenas,que não passam de batalhas confortáveis,as quais se repetem indefinidamente.
Quero dizer,que a pessoa que está disposta,decidida a deixar uma marca neste mundo,é necessário que se levante acima das“picuinhas”e insignificâncias que têm impedido a tantos de alcançar a plenitude do seu potencial.
Arrisque-se,assuma alguns desafios com conteúdo,e eles irão fatalmente arrastar você a grandes realizações.
Seu problema é grande?
Dê boas-vindas aos grandes problemas,pois são neles que estão suas melhores oportunidades.

Lembre-se que a oração tem asas e voa direto ao trono de Deus.

11 de nov de 2010

Eu os tirei do Egito e os levei para o deserto - Ez 20:10


              A palavra “deserto” vem do latim desertu e significa “lugar solitário” ou “de solidão”


         O povo de Israel enfrentou o deserto em sua caminhada à terra prometida.
 Curiosamente o deserto surge na vida dos israelitas após 400 anos de escravidão egípcia e tem a duração de 40 anos. O trajeto do Egito à Canaã, terra prometida por Deus aos filhos de Israel, levaria no máximo 40 dias para ser completado. Mas Israel levou 40 anos. Quem foi o responsável por tamanho equívoco? Moisés? Os seus auxiliares? A falta de um bom GPS?
         Primeiramente, não se tratou de um equívoco, mas de uma experiência criada propositalmente; e não teve nada a ver com falha humana, nem com ação maligna, mas com o próprio Deus.
         Centenas de anos após a vivência dessa experiência, Deus chama o profeta Ezequiel e revela:

“Você sabe quem estava por detrás daquele aparente equívoco que levou Israel para o deserto, depois de 400 anos de Egito? Eu mesmo. Fui eu quem levou Israel para o deserto. Eu estava vendo as abominações que eles estavam cometendo e precisava deixá-los cara-a-cara comigo, fazê-los passar debaixo do meu cajado (objeto que simboliza o cuidado e a orientação pastoral) e se sujeitarem à disciplina da aliança que foi estabelecida entre nós” (Paráfrase de Ezequiel 20).

         Interessante é observar que o povo murmurou contra Moisés e o acusou de ser o responsável por toda aquela experiência desértica. Muitos se lembraram das cebolas do Egito, com forte expressão de saudade. Eles não conseguiam discernir, e não podiam discernir, porque eram carnais, que a experiência do deserto não tinha a ver com Moisés, mas com Deus.
         Sabemos que a geração que entrou em Canaã não foi a mesma que saiu do Egito, pois a geração que deixara o Egito morreu no deserto em virtude de terem murmurado contra o Deus Eterno.

         Quando enfrentamos momentos difíceis, é comum perguntarmos por que os estamos experimentando; queremos encontrar uma razão, algo que explique o que estamos passando. Contudo, quando lemos o capítulo 20 do livro do profeta Ezequiel e vemos a experiência de Israel no deserto, provocada pelo próprio Deus, discernimos que muitos momentos de provação nos são permitidos, não para o nosso sofrimento, mas para o nosso crescimento.
 É que chamamos de “desertos necessários”.
         É um paradoxo. Mas nenhum de nós amadurece emocional ou espiritualmente se tudo vai bem. Precisamos passar por momentos conflitantes para nos desenvolver como pessoas. Isso acontece desde o parto, essa experiência estranhamente dolorosa que nos tira do anonimato aconchegante do útero e nos expulsa para uma realidade estranha. Choramos. Não por causa das palmadas do médico, nem por causa da dor da primeira respiração, comparada à inalação de ácido sulfúrico. Choramos por termos perdido o lugar que nos conferia segurança e comodidade. Mas, não fosse essa dolorosa experiência, não haveria nascimento, nem crescimento, nem desenvolvimento. Apenas morte.
         Deus viu que o povo precisava amadurecer antes de adentrar a terra prometida; com efeito, Israel também precisava se livrar dos vícios adquiridos em 400 anos de escravidão. Se eles tivessem saído do Egito e entrado em Canaã, um mês e meio depois, eles teriam estragado Canaã.
         Do mesmo modo, nós. Se Deus nos abençoar no exato momento em que suplicamos, é certo que não saberemos aproveitá-las e desfrutá-las adequadamente. A imaturidade estraga as bênçãos de Deus.
         Se você está passando por um momento difícil em sua vida, não murmure, nem acuse; apenas ore e agradeça a Deus pela grande oportunidade que Ele está lhe concedendo de crescer um pouco mais
Veja cada luta ou provação como um deserto necessário em sua vida. Ao invés de perguntar “por quê?”, pergunte “para quê?”. Pois há sempre um propósito divino por detrás de cada sofrimento.

         Certa vez, Pedro disse a Jesus: “Mestre, eu não entendo o que o Senhor está fazendo?”. Jesus lhe respondeu: “O que você não compreende hoje, compreenderá amanhã” (João 13.6,7).
         Talvez você não consiga compreender as coisas que estão lhe acontecendo hoje; mas, descanse em Deus. O deserto vai passar e, se você o encarou com a humildade de quem conhece e confia em Deus, vai perceber o quanto o deserto foi necessário à sua vida.

         “Senhor, ajuda-nos a ver cada problema como uma oportunidade de crescimento e amadurecimento. Livra-nos da murmuração que nos torna amargos e mata a nossa esperança, e nos faz acreditar mais no poder do teu amor, do que no poder destrutivo das circunstâncias.
 Por Jesus, nosso Senhor e Salvador. Amém”.

1 de nov de 2010

O Jejum

 
 


RAZÕES PARA JEJUAR

 1. O jejum como disciplina orientada pelo Espírito Santo
Jesus Cristo foi levado pelo Espírito ao deserto para jejuar - Mateus 4.2.

         2. O jejum para buscar a vontade de Deus em assuntos específicos 
   Os israelitas jejuaram para determinar a direção de uma batalha - Juízes 20.26.
 Paulo e Barnabé jejuaram para escolher anciãos - Atos 14.23.

  3. O jejum no arrependimento de pecado
Os israelitas jejuaram, arrependeram-se e deixaram falsos deuses - I Samuel 7.6.
 Davi jejuou e arrependeu-se de seu pecado - II Samuel 12.16,21, 23.
Acabe jejuou e arrependeu-se por causar a morte de Nabote - I Reis 21.27.
 Depois de ouvir a Palavra, os israelitas jejuaram e confessaram – Números 9.1-3.
 Daniel jejuou e confessou seus pecados e os de Israel - Daniel 9.3-11.
Joel promulgou o jejum para Israel para arrependimento - Joel 1.12,15.
 A população de Nínive se arrependeu com jejuns - Jonas 3.5.

      4. O jejum pela obra de Deus
Pela condição assolada de Jerusalém e pela obra do Senhor - Neemias 1.4.

     5. O jejum para libertação ou proteção de Deus
Josafá e Judá jejuaram para libertação e proteção na batalha - II Crônicas 20.3.
 Esdras e o povo jejuaram para libertação - Ester 8.21-23.
 Os judeus jejuaram por livramento após o decreto de Assuero - Ester 4.13-16.
 O povo jejuou após o livramento de Deus do plano de Hamã - Ester 9.31.

    6. O jejum para humilhar-se diante de Deus
Davi se humilhou diante do Senhor com jejuns - Salmo 69.10-13.
 
   7. O jejum como parte da adoração e do louvor
Ana adorava com jejuns e orações diariamente - Lucas 2.37.
A Igreja Primitiva jejuou e serviu o Senhor - Atos 13.2-3.

  8. O jejum no momento da aflição
Os israelitas prantearam e jejuaram a morte de Saul - I Samuel 31.13, II Samuel 1.12.
 Davi jejuou na doença de seu filho - II Samuel 12.16, 21-23.


PRINCÍPIOS PARA JEJUAR

Jejuar para uma vida mais santa, livre e justa, com mais obras - Isaias 58.6-7.
Jejuar secretamente sem ficar anunciando para todo mundo - Mateus 6.16-18.
Não jejuar para mortificação ou propósitos pessoais – Isaias 58.3-5.
Não jejuar para impressionar outros - Lucas 18.12.
Jejuar para vencer demônios que somente são vencidos com orações e jejuns - Mateus17.21,
                                                                                                                        Marcos 9.29.


O JEJUM COM ORAÇÕES É RECOMENDADO A TODOS OS CRENTES

Individualmente, a partir de uma prática regular incorporada na sua disciplina espiritual, ou sempre que se apresentar uma situação em que se faça necessária uma consagração maior, ou movido por um desejo de mais comunhão com Deus.
Comunitariamente, por ocasião dos dias especiais de jejum e oração, mas sempre em harmonia com as razões, os princípios e os textos bíblicos acima descritos.
Há diversas formas de jejum e cada pessoa é chamada ao exercício desta disciplina espiritual tão simplesmente para aprofundar sua comunhão com Deus.
 Alguns jejuam um dia, ou mais, outros apenas pulam uma refeição; o importante é perceber a correlação entre comida e amor.
 Comida nutre o corpo, amor nutre a alma.
 O jejum substitui o tempo de nutrir o corpo com comida, por um tempo de nutrir a alma com a presença e o amor de Deus.
O jejum pressupõe uma atitude interior de recolhimento, uma busca mais profunda de Deus.
Isto é: o jejum de comida não é uma mortificação, mas tem origem em um espírito tranqüilo, de poucas palavras, de poucas leituras, de pouca atividade.
Jejum não é só jejum de comida, mas também de jornais, televisão, computador e outras distrações.
É um tempo de busca direcionada, de escuta atenta, de maior disponibilidade.
 Um tempo de comunhão profunda, intencional, que se torna possível quando estamos realmente apaixonados por Deus.
 Então não temos outros desejos, senão o desejo de estar com ele, de forma profunda e plena.


Na Bíblia, a prática voluntária do jejum foi instruída na Lei (Levítico 16.29),
 observada nos dias de Jesus  (Mateus 9.14-15, Marcos 2.18-20, Lucas 5.33-35)
 e era comum entre os cristãos da Igreja Primitiva (Atos 27.9).


Amém?

31 de out de 2010

Quem é o Espírito Santo ?



O Espírito Santo  faz parte da Trindade, assim como Deus, o Pai, e Seu Filho, Jesus Cristo.
O Espírito Santo, o Pai e o Filho são um em propósito, mas são seres distintos uns dos outros. O Senhor revelou o seguinte por intermédio de Joseph Smith:


Espírito Santo não tem um corpo de carne e ossos, mas é um personagem de Espírito. Se assim não fora, o Espírito Santo não poderia habitar em nós.
A missão específica do Espírito Santo é dar testemunho do Pai e do Filho, revelar a verdade, consolar-nos e santificar-nos.
Ele é um guia e professor divino.
 
 
O Espírito Santo

Deus não quer que fiquemos sem Sua influência; por isso, Ele envia o Espírito Santo para consolar e dar orientação a Seus filhos.
 O Espírito Santo—às vezes chamado de Santo Espírito—é o terceiro membro da trindade. Sua missão é testificar da verdade, consolar e santificar-nos e trazer todas as coisas à nossa lembrança (João 14:26; João 15:26; João 16:13).
 
De que forma o Espírito Santo pode nos  ajudar?

O Espírito Santo pode abençoar a sua vida de muitas maneiras
.Cristo prometeu aos Apóstolos que o Espírito Santo lhes “ensinaria todas as coisas” (João 14:26) e os “guiaria em toda a verdade”.(João 16:13)
 Ele também disse: que o Espírito Santo “testificará de mim”. (João 15:26)
Da mesma forma, o Espírito Santo pode ajudar você.
 Por meio da inspiração do Espírito Santo, é-lhe possível reconhecer e compreender a verdade, escolher o que é certo e tomar decisões inspiradas.

O Espírito Santo pode inspirar-lhe idéias, alertá-lo do perigo e consolá-lo nos momentos de tristeza.

Talvez você já tenha sentido a influência do Espírito Santo em determinados momentos de sua vida.
Essa influência inclui o amor, a alegria e a paz. ( Gálatas 5:22)
 
 
O dom do Espírito Santo

Quase todos já sentiram a influência do Espírito Santo em algum momento.Mas existe uma diferença entre sentir a influência ocasional do Espírito Santo e receber o dom do Espírito Santo.

Em alguns momentos, o Espírito Santo pode consolar ou revelar a verdade às pessoas, mas o dom do Espírito Santo só é concedido a quem é batizado na Igreja de Cristo. Esse dom é o privilégio de desfrutar da companhia constante do Espírito Santo, caso obedeçamos aos mandamentos.

Como esse dom é concedido?
 
 O dom do Espírito Santo é concedido por alguém que tenha a autoridade do sacerdócio de Deus. Isso é feito por meio da imposição de mãos, depois de a pessoa ser batizada. Depois disso, é nossa obediência aos mandamentos de Deus que determina se receberemos ou não esse dom maravilhoso.
 
O Consolador

O Consolador é um outro nome do Espírito Santo; pois Ele dá paz e consolo.
Todos passamos por momentos de solidão, medo e tristeza; por momentos em que precisamos de consolo.
 Jesus Cristo prometeu: “Não vos deixarei órfãos” (João 14:18) e disse que Deus enviaria o Consolador, que é “o Espírito Santo”. (João 14:26)

O Espírito Santo pode consolar-nos nos momentos de dificuldade e sofrimento e também proporciona a paz de consciência e a certeza de que nossos pecados foram perdoados, quando nos arrependemos sinceramente.
Quando temos a companhia do Espírito Santo, não precisamos temer.
 
Jesus disse:

Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. [João 14:27]

18 de out de 2010

O que é a Fé ?



Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam e a firme convicção de fatos que se não vêem” — é o que define o livro de Hebreus.

Entretanto, parece que tal definição não cobre o todo da fé para alguns. Isso porque aparentemente falta à definição o sentido da fé como concordância com a doutrina e como perseverança na tribulação.
Para outros, os que crêem que fé é também dúvida, a definição de Hebreus jamais é citada, posto que lhes pareça ser excessivamente simples ou simplista.
A fé, porém, é certeza de esperanças e certeza da existência do que não é apreendido pelos sentidos imediatos, seja para perseverar, seja para andar contra tudo...
sem perder a esperança jamais.
O homem de fé pode duvidar, como não raro acontece. Mas é o homem quem duvida, não é a fé que carrega a duvida.
Jesus disse que existe muita fé e pouca fé!

Nunca vi fé como esta” — disse Ele acerca do Centurião Romano.

Por que duvidaste, homem de pouca fé?” — indaga Ele a Pedro.

A pouca fé é a fé emocional e momentânea, é a fé que vai porque está acontecendo...
Mas quando as “ondas” aparecem, então, com a aparição vai a fé...
Já a muita fé é aquela que não duvida uma vez que tenha visto em Quem crê, à semelhança do Centurião, que não precisava de nada mais próximo ou tátil, pois, cria que Jesus era o que Havia [Há]... acima de tudo e todos.

O pai da fé é Abraão.
Ora, por que Abraão é o pai da fé se não porque ele creu no amor de Deus e na vontade bondosa de Deus apesar de tudo?
Paulo diz que Abraão é o pai da fé por ter crido, na prática, na Ressurreição antes de ela acontecer. E assim levou seu filho para ser imolado, crendo que Deus era poderoso para reavê-lo dentre os mortos.

A fé não é, todavia, fé em si mesma, não é fé na fé.
Fé na fé é crença, não é fé.
Fé na fé é mágica, mas não é fé.
A fé não é em si mesma, mas se projeta para além de si.
A fé na fé vai bem enquanto o que nos cerca é contornável, mas quando deixa de ser, então, tal fé não suporta o embate com a realidade.
Em Jesus, no Seu ensino nos evangelhos, a fé não é uma elaboração intelectual e ou filosófica.
Em Jesus a fé é uma dádiva do Pai aos simples de coração, aos que não se deixaram cegar pelas forças das razões fundadas no poder do homem, no seu entendimento ou nas suas decisões.

Para Jesus a fé era para quem queria..., não para quem discutia.

Não vemos Jesus jamais tentar provar a fé com argumentos.
Ele fazia. 
Quem cria aproveitava.
Quem não cria não tinha ajuda de explicações.
Não dá pra criar fé.
Dá pra criar crença.
Mas fé não é obra do homem, é graça de Deus aceita pelo coração sem resistência.
A verdadeira fé, portanto, só se estabelece em mim quando minhas razões cessam de guerrear com a Palavra feita carne em Jesus.
Posso não entender mais nada no Universo.
Mas creio que Jesus é Deus.
Ora, se é assim comigo, na mesma hora o Universo e a existência começam a se fazer mais simples para o meu entendimento, ainda que eu não possa explicar muita coisa.
Afinal, quem crê na Ressurreição dos mortos não tem razão para temer mais nada e nem para duvidar de coisa alguma.
Assim, a fé não fecha a mente, mas a abre para mais possibilidades inusitadas e impensáveis.





10 de out de 2010

Deus trabalha...



O nosso Deus trabalha para aquele que Nele espera...
 Basta que creiamos...

Preste atenção numa coisa...

Quando nos sentimos fracos, se temos fé, aí é que somos fortes, porque Deus é a nossa força...

Quando cremos, Deus nos fortalece... nos capacita...

Mas para que isso aconteça, temos que fazer a nossa parte...
Temos que renunciar, enterrar o não consigo...

Pare agora, nesse momento, e pense no que você acha que não consegue...

 E pense agora o contrário...
Posso mudar o meu casamento naquele que me fortalece...
Posso vencer o vício, naquele que me fortalece...
Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece..


Diga sempre  pra você mesmo,


TUDO POSSO  NAQUELE QUE ME FORTALECE.


Amém?

Não desista de sonhar


Quando pensamos que não somos capazes de fazer nada, muitas vezes achamos que os nossos sonhos se acabaram.
Nessa situaçao nunca pensamos em seguir em frente, mas infelizmente existe uma palavra que vem primeiro na nossa mente;desisitir.
Se agimos dessa maneira, Deus não irá nos ajudar, pois Ele quer ver o nosso esforço e sem esforço não podemos chegar a lugar nenhum.

Por isso que nunca devemos desistir dos nossos sonhos por mais impossível que seja, porque para Deus nada é impossível e só basta crer que Ele estará sempre disposto a nos ajudar em qualquer situação da nossa vida.

Nunca desista do seu sonho, porque Deus sempre irá abrir muitas portas na sua vida!

Amém?

3 de out de 2010

Qual é a sua desculpa?




Nenhuma desculpa é aceitável .

Da próxima vez que você achar que tem um motivo para DEUS não poder usá-lo,lembre das seguintes pessoas :

Noé foi bêbado

Abraão era muito velho

Isaac era um alucinado

Jacó era um mentiroso

Lia era feia

José foi escravo e assediado

Moisés foi um assassino ( como Davi e Paulo)

Débora era muito crítica

Gideão era medroso

Sansão tinha cabelos longos

Raab foi prostituta

Jeremias e Timóteo eram muito jovens

Elias era suícida

Isaías pregou nu

Jonas fugiu de DEUS

Noemi era viúva

Jó perdeu tudo

João Batista comia gafanhotos

Pedro era temperamental

João era metido a santo (fanático)

Os discípulos dormiram enquanto oravam

Marta se preocupava com tudo

Sua irmã Maria era preguiçosa

Maria Madalena era endemoniada

O garoto com os peixes e pães era desconhecido (e ainda é )

A mulher samaritana teve muitos homens

Zaqueu era muito baixo

Pedro era muito impulsivo

Marcos tinha desistido de tudo

Timóteo tinha úlcera de estomago

E Lázaro já havia morrido.


E agora, qual é sua desculpa?

O Senhor encherá de azeite todos os seus vasos





O Poder de Deus começa a manifestar-se em sua vida!
Junte vasos vazios, não poucos, pois Deus fará milagres de multiplicações acontecerem!
O Senhor te encherá de tanta bênção, que todos a sua volta ficarão espantados, perplexos, de boca aberta e verão o Deus que tu serves.
Os seus vasos já estão transbordando de azeite, de bênçãos.
Os seus inimigos já estão confundidos e não estão acreditando na sua vitória, toda sua dívida já foi paga e este ano será de grandes conquistas e colheitas, os seus sonhos começam a se realizar, grandes portas já se abriram... PELA FÉ! Crês? Profetizo para sua vida milagres extraordinários!
O Senhor hoje enxuga as tuas lágrimas e enche a tua boca de riso!

Deus é Fiel !!!

Somos espelhos que Deus usa




Enquanto caminhamos, o mundo ao nosso redor espera ver, em nós, a transformação que só o Espírito Santo faz na vida de um pecador arrependido. Observando um espelho, relembramos alguns cuidados necessários essenciais para que sejamos usados pelo Senhor, refletindo Sua glória no mundo.

1. Para refletir como espelho a Glória de Cristo, é preciso ter o rosto descoberto
Assim como um espelho deve estar descoberto para refletir a imagem de determinado objeto, nós também necessitamos de que nada se interponha entre nós e o nosso Deus. O véu que separava o homem de Deus foi rasgado por ocasião da morte de Jesus na cruz. Este gesto, sem par, possibilitou que a glória do Senhor rebrilhasse em nossa vida. O acesso que temos à sua presença foi garantido pela morte e ressurreição de Cristo. Vamos desfrutar, portanto, dessa comunhão.

2. Para refletir como espelho a Glória de Cristo, é preciso estar limpo
Muitas vezes, a imagem refletida no espelho não é nítida, não tem brilho. Pequenas manchas internas, ou até mesmo poeira, dificultam a nossa visão.Assim também, os nossos pecados encobrem o rosto do nosso Deus e as nossas iniqüidades nos separam do Senhor (Isaías 59:2).
Se desejamos refletir a sua glória com todo o brilho e perfeição, busquemos diariamente purificar as nossas vidas, confessando "os nossos pecados, na certeza de que Ele é fiel e justo para nos perdoar e purificar de toda e qualquer injustiça"


3. Para refletir como espelho a Glória de Cristo, é preciso estar bem direcionado
Mesmo descoberto e limpo, o espelho só é capaz de refletir o objeto para o qual se direciona. O cristão que não está em sintonia com o Senhor, corre o risco de refletir outras imagens. Ao direcionar o nosso olhar para o "autor e consumador de nossa fé", passamos a refletir cada vez mais a sua glória, através de nossas vidas. E assim, de glória em glória, somos transformados e Sua luz se revela em nossa vida. Quanto mais ela rebrilhar, mais Cristo será visto em nós.

Como espelho de Cristo eu devemos:

1 - Reconhecer nossas fraquezas - Salmo 139:23 e 24.
2 - Obedecer ao plano de Deus para nossa vida - Salmo 40:8.
3 - Confiar no poder de Deus e não em nossas forças - Filipenses 4: 13.


Que imagens as pessoas têm visto refletidas em nossa vida?

Existe alguma área que necessita de transformação por meio do Espírito Santo?

29 de set de 2010

Um céu sem nuvens....





Você já observou como as nuvens carregadas de chuva são levadas pelo vento,e como o céu se torna tão azul,e os raios de sol aparecem onde antes tudo era escuro e opressivo???
Será que á nossa vida se parece com esse fenômeno natural????
DEUS diz que sim!!!

"desfaço as tuas transgressões como a névoa e as tuas ângustias como á nuvem"

BASEADO NESTA REFLEXÃO QUERO TE DIZER:

Não conheço á realidade da tua vida,mas em nome de JESUS quero te falar:
SE porventura o céu da tua existência está opressivo e obscuro...
o vento forte sufoca teus pensamentos te trazendo angústias,desespero,dor e tristesa em teu corpo que por estes motivos se sente cansado de caminhar....

"CREIA EM DEUS"!!!!

POIS ele com seu poder infinito soprará o vento do espirito Santo sobre á tua vida...
Enchendo o céu da tua existência de alegria e de esperança...
E além de tudo DEUS fará novamente que no céu do teu viver,o sol da justiça e felicidade novamente volte á brilhar....

NÃO TENHA MEDO!!!DEUS é FIEL

27 de set de 2010

Sede imitadores de Deus





Deus é nosso Pai, e como seus filhos temos de imitá-lo.

Eis algumas coisas importantes que, como filhos dEle, devemos imitar:

1-DEUS É UM DEUS DE PROJETOS (Ap 13.8).
Ele nunca realizou nada de improviso. O plano da salvação já estava traçado antes mesmo de o homem nascer (Ap 13.8). Portanto, se somos filhos de Deus, devemos imitá-lo traçando projetos para nossa vida, nossa família, para o Reino de Deus.

2-DEUS É UM DEUS DE ORGANIZAÇÃO (1Co 14.33)

PRINCÍPIOS ORGANIZACIONAIS DE DEUS
2.1- Deus trabalha com prioridades
Ele demonstrou isto na seqüência da Criação, criando, em primeiro lugar, os elementos que iam ser necessários aos elementos que Ele criaria a seguir.
PORTANTO, devemos estabelecer prioridades em nossa vida, realizando aquilo que é fundamental antes daquilo que é secundário.

2.2- Deus trabalha com preparação
Em Gênesis 3.15 já está registrada a primeira profecia anunciando o nascimento do Salvador da humanidade. Deus usou 45 capítulos de sua Palavra só para preparar o povo para a peregrinação no deserto (Ex 33 até Nm 10).
PORTANTO, jamais devemos fazer nada de improviso, de qualquer maneira.

2.3. Deus trabalha com ordem
Deus é inimigo da desordem, da bagunça (1 Co 14.40).
PORTANTO, tudo o que fizermos devemos fazer de maneira organizada, ordenada, seqüencial.

2.4. Deus trabalha com estruturas
Ou seja, Deus respeita hierarquias, estabelece estruturas por essas serem elementos de sustentação. PORTANTO, devemos estabelecer estruturas que possam sustentar nossos empreendimentos, nossas ações. Devemos reconhecê-las e respeitá-las.

2.5: Deus trabalha com execução
Tudo o que ele projetou, executou. Não deixou nada pela metade, no meio do caminho.

PORTANTO, devemos planejar e executar o que planejarmos.

3-DEUS É UM DEUS QUE EXIGE PADRÃO DE QUALIDADE (Mt 5.48)
Tudo na criação de Deus reflete um alto grau de perfeição, de exigência.
PORTANTO, tudo o que fizermos, devemos fazer da melhor maneira possível, pois se somos filhos de Deus, temos que imitá-lo.

4-DEUS TRABALHA EM ORDEM CRESCENTE
Ele começa com uma pequena quantidade, para alcançar uma grande quantidade. Um casal transformou-se nos bilhões de seres humanos de hoje, Abraão deu início aos milhões de judeus existentes atualmente no mundo.
PORTANTO, também devemos começar com paciência e perseverança, não desprezando as coisas pequenas (Zc 4.10).

5-DEUS É ESPECIALISTA EM TRANSFORMAR CAOS EM BÊNÇÃO.
Do caos Ele tira a ordem, a perfeição, a bênção.
PORTANTO, como filhos de Deus, devemos transformar em bênção o caos que pode estar existindo em torno da nossa família, em nosso ambiente de trabalho, etc.

6-DEUS, O NOSSO PAI, É UM DEUS DE CARÁTER.
QUATRO MARCAS DO CARÁTER DE DEUS

DEUS É:
a- AMOR (1 Jo 4.8)
Debaixo do guarda-chuva do amor de Deus estão mais três marcas do Seu caráter:

b-PERDÃO (perdoar é cancelar a dívida)
c-MISERICÓRDIA (é lançar os méritos do perdoador sobre o perdoado)
d-COMPAIXÃO (compadecer-se é ficar no lugar do outro)

DEUS É JUSTO.
Ser justo é ser íntegro, honesto. Devemos seguir essa marca do caráter de Deus.
DEUS É VERDADEIRO.
A única paternidade que a Bíblia dá ao diabo é a da mentira (Jo 8.44).
Portanto, se somos filhos de Deus, jamais incluiremos a filha de Satanás em nossas ações.

DEUS É SANTO.
Ser santo não é só deixar de pecar, mas sim fazer oposição ao pecado.

RECEITA PARA SER SANTO
1-Quem quer ser santo deve:

a)Orar (1Tm 4.5)
b) Mergulhar na leitura da Palavra (João 1.17)
c)Segundo 3.1-10: Buscar as coisas que são de cima, pensar em Deus, mortificar a carne, despojar-se do velho homem, e revestir-se segundo a imagem daquele que nos criou.

Se Você é Filho de Deus, Trate de Imitá-lo.

22 de set de 2010

Alegria é fruto do espírito





Conforme está escrito em Gálatas 5:22, alegria é um fruto do Espírito – não a tristeza, o desencorajamento ou a depressão.
Se nós vamos permanecer cheios do Espírito Santo todos os dias, ele nos dará energia e inspiração para sermos “cheios de alegria” em meio às circunstâncias (aquilo que estamos vendo).


“Na presença de Deus existe abundância de alegria, em sua destra existem delícias perpetuamente” (Salmos 16:11).

Creio que a presença de alegria nos dá a resistência para permanecermos contra o inimigo, para superar as circunstâncias negativas e herdar nossa terra prometida.

Como permanecer cheios do Espírito?
Uma forma muito importante é mantendo a mente e boca cheias da Palavra e não dos problemas.
Josué 1:8 diz: “Não cesse de falar deste Livro da Lei, antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito, então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido”.
Josué foi instruído pelo Senhor a manter a Palavra e não o problema em sua boca e mente.

Como Josué, se nós queremos tornar nossa caminhada próspera e bem-sucedida nesta vida, definitivamente precisamos colocar nosso pensamento e nossas palavras em outra coisa que não seja nos problemas que enfrentamos.
Em outras palavras, precisamos parar de pensar e de falar nos problemas.
Se pensarmos muito no problema vamos falar nele, e nossas palavras podem mexer com nossas emoções o que normalmente nos deixa chateados.
Se existir algum propósito para tocar no assunto, então faça. De outra maneira, entregue a Deus esta situação e não fale mais sobre isso. Preencha sua mente e sua boca com as palavras das Escrituras para que isso possa lhe tranqüilizar que Deus está no controle e ele é capaz de cuidar de tudo o que você confia a ele.

Outra forma de estar cheio de alegria é ter um propósito de escolher um louvor e mantê-lo em seu coração e em seus lábios durante todo o dia .

Isaías 61:3 diz que Deus tem nos dado vestes de louvor ao invés de espírito angustiado. Estas “vestes” de louvor são nossas, mas temos que escolher vesti-las todos os dias, da mesma forma que temos que escolher outras peças de roupas.
Paulo e Silas escolheram cantar e louvar a Deus quando estavam presos numa prisão em Filipos e como resultado, o coração de Deus foi tocado e isso gerou uma ação.
Ele quebrou as correntes e abriu as portas da prisão libertando-os. Uma coisa interessante foi que, o louvor deles não afetou apenas a eles, mas a todos que estavam na prisão. Todas as correntes da prisão foram quebradas e até o carcereiro entregou sua vida a Cristo.

Como Paulo e Silas, Abraão entendeu o poder de louvar a Deus. Romanos 4:20 diz: “não duvidou, por incredulidade, da promessa de Deus; mas, pela fé, se fortaleceu, dando glória a Deus.
” Abraão não permitiu que seu coração se entristecesse enquanto aguardava o cumprimento das promessas de Deus. Ao invés disso, ele deu glórias e louvores ao Senhor. Como resultado ele foi fortalecido e sua fé aumentou até o momento em que ele viu a promessa se cumprir.
O Senhor fará o mesmo por você e por mim.

Nós também vamos crescer fortes e seremos cheios de poder pela fé à medida que escolhermos dar louvores e glórias a Deus.

15 de set de 2010

Espanador Espiritual






"Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus" (Mateus 5:8).



Ele era um menino de apenas quatro anos de idade e não havia nada de incomum em não gostar de sabão e água. Um dia, com muito amor, sua mãe tentou argumentar com ele, dizendo: "Mas seguramente você quer ser limpo, não quer?" "Sim", o menino respondeu com lágrimas, "mas você não poderia passar o espanador em mim, para retirar o pó?" Isto é muito engraçado, vindo de um menino de quatro anos, mas, triste quando pessoas se contentam em receber apenas uma espanada espiritual por semana (e muitos só permitem que o espanador seja aplicado algumas vezes por ano).
A impureza interna se instala e eles parecem contentes sem se incomodar com isso.


Até que ponto somos semelhantes ao garoto de nossa história?
Temos nos contentado em viver de qualquer maneira, não nos importando com uma vida espiritual que louve ao Senhor e glorifique o Seu nome?
Temos deixado as impurezas mundanas se instalarem em nossos corações, impedindo que a luz de Cristo brilhe em nossas atitudes?
A Palavra de Deus nos diz que as moradas celestiais estão preparadas para os limpos e puros e que ao deixarmos o Senhor nos purificar, nos tornamos mais alvos que a neve.
É isso que temos buscado?
É isso que alegra os nossos corações?
Estamos, alegremente, buscando alegrar o coração de nosso Deus?
Se buscarmos o espanador espiritual apenas nos finais de semana ou em algumas raras vezes por ano, as impurezas tomarão conta de nossas almas e a limpeza passará a ser muito mais difícil.
Se deixarmos o Senhor nos limpar a todo momento, nos manteremos puros, cheios de vigor espiritual, felizes e abençoados em todos os dias de nossas vidas.


Deixe Deus agir em seu coração todos os dias e sua vida estará sempre limpa e brilhante.

8 de set de 2010

Deus não faz o destino,mas sim nós





Temos um grande defeito, que é, colocar nas Mãos de Deus o nosso destino, como se tudo que nos vem ou que acontece no futuro em relação a nós, a sociedade é por permissão ou acontece porque Deus quis. Este é um grande erro, porque de certa forma pensando assim, estamos omitindo nossa responsabilidade e transferindo para Ele nossas ações e omissões.

Embora, tudo que Jesus passou já estivesse escrito, não foi porque Deus quis que acontecesse, mas sim, porque Ele já sabia que ocorreria por conhecer o Homem e até onde ele pode chegar. No entanto, também a partir da miséria humana, Deus veio nos libertar. Enfim, o que aconteceu com Jesus já estava escrito pela Onisciência de Deus.

É importante sermos conscientes que, mesmo Deus sendo Onipresente não nos priva da liberdade e não interfere de maneira efetiva nas nossas decisões, se o fizesse isto, certamente, tiraria nosso livre arbítrio. Por mais que Ele nos ame, mantém nos livre para as decisões que desejamos tomar, e assim sofremos as conseqüências seja elas quais forem.

É comum usamos Seu Nome em vão cotidianamente para todos os fins. Triste quando ainda usamos na busca de nossos próprios interesses, muitas vezes chantageando nosso irmão quando desejamos obter algo, ou mesmo quando nos sentimos prejudicados. Muitas vezes, usamos o nome de Deus para nos qualificarmos melhores que os outros. Talvez este seja um dos grandes pecados da humanidade ou de muitos daqueles que são chamados de forma especial para levarem a Palavra de Salvação sendo condutores de grandes, médios ou pequenos rebanhos.

Precisamos sermos conscientes que todos nossos atos têm conseqüências diretas ou não, por exemplo, se escolhemos maus nossos governantes não é Deus quem os colocou no poder, mas sim nós, e receberemos a resposta de nosso ato. Não tem como plantar limão e colher laranja. Dá mesma forma, usar o nome de Deus para conseguir se eleger é em vão, tal ato terá conseqüências.

Dei o exemplo sobre nossos atos de cidadania, mas também poderíamos falar sobre as doenças e problemas afetivos. Isto é, vivemos uma vida irregular, fumando, bebendo, não cuidando da saúde então ficamos doentes e creditamos a Deus tais doenças, como se fosse da vontade Dele.

Enfim, Deus nos ama infinitamente além de nossos erros, fraquezas e pequenez, porém, não nos poupa das conseqüências de nossas atitudes, condutas e comportamentos. Ele sempre nos mostrará o caminho correto, o da felicidade, porém, permitirá o resultado de nossas ações e vou além, o sofrimento que causamos aos nossos irmãos seja por atos ou omissões recaem sobre nós, neste sentido, devemos ser coerentes em nossas ações.

Certamente, quando crescemos percebendo nossos erros e procuramos concertá-los, Seu amor nos cobrirá e assim, conseguiremos descobrir o caminho correto para seguir; não seremos poupados dos sofrimentos, mas assumiremos a cruz que nós mesmos a construímos para carregarmos.

29 de ago de 2010

O que faria Jesus nos dias de hoje ?



Com esta pergunta começamos fazer uma reflexão dos dias de hoje como estamos vivendo e agindo a luz da Bíblia Sagrada.


Voltemos a dois mil anos e vejamos a igreja de Cristo como servia, como adorava, como ajudavam uns aos outros, observe: E Perseveravam na doutrinas dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. E em toda alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos, e todos que criam estavam juntos, e tinha tudo em comum, e vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.Atos 2:42-45.

Assim a igreja de Cristo começou a caminhar dando seus primeiros passos aqui na terra, estes versículos acima já dizem tudo, não havendo nenhuma necessidade de explicação. E hoje como vivemos?
Vivemos como deveria viver segundo a Bíblia? Fazemos o que diz a palavra de Deus? Em nosso meio há necessitados? Em nosso meio há o repartir do pão? Crescemos como no principio?

Não precisamos responder nenhuma destas perguntas, pois o fato por si mesmo responde.
O que faria Jesus nos dias de hoje? Com certeza reprovaria todas as comunidades que primeiro pensam em si, e pregam o evangelho da prosperidade do dinheiro da barganha. Observem amados, na Palavra de Deus em nenhuma parte, Jesus promete riquezas, vida fácil, prosperidade, mas ao contrario, vemos Jesus pregando vida eterna, tesouros nos céus e aflições.
O que faria Jesus, ao visitar uma destas igrejas e ver em suas contas milhares de reais, prata, ouro e, em seus meios, membros passando fome, necessidades?
O que faria Jesus, ao ver, pastores, lideres cobrando cachês para fazer uso da palavra de Deus, onde a própria palavra diz: daí de graça o que recebeste de graça?
O que faria Jesus, ao ver homens levitas cobrando cachês altíssimo para fazer os seus shows em vez de louvar a Deus?
O que faria Jesus, ao ver igrejas fazendo aliança com o mundo, onde tudo pode se fazer, onde não há doutrinas, onde seus cultos são práticas pagãs e rituais, usando versículos isolados para justificarem suas práticas? Hoje o nosso Mestre seria morto, não pelos os Judeus, nem pelos Romanos, mas por estes que se diz discípulos, e pregam sua palavra enganando as suas ovelhas, usando a fé para justificarem os seus erros.

Quanto custa uma alma? Diz a palavra de Deus que não tem valor, nem toda prata e nem todo ouro pagaria uma alma arrependida ao Senhor. A dois mil anos disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isto eu te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda. Atos 3:6.

Hoje, está invertida a situação, dir-se-ia: Eu tenho prata e ouro, mas não posso te dar, pois é da casa do Senhor. Nem poderia dizer: levanta-te e anda, pois não tem autoridade para faze-lo.

O próprio Jesus nos alertou das falsas doutrinas, dos falsos pastores, que vem com pele de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores. Nós louvamos a Deus pela a sua infinita misericórdia que hoje, Jesus encontra-se como advogado e intercede por nós, mas virá um dia, que todos compareceram junto ao tribunal de Deus e Jesus não intercederá mais. Mas julgará a todos sem distinção de raça de credo, segundo o que praticarem e estes lobos serão tirados arrancados como o joio do nosso meio para sempre.

Oramos a Deus que a igreja de Cristo continue crescendo em graça e em ações como convém aos Santos. Amém

16 de ago de 2010

As Tempestades





As tempestades podem soprar!
As dificuldades podem chegar em sua vida!
Os inimigos podem se levantar!
O sol pode não aparecer para você amanhã!
Todos podem te acusar!
Todas as portas podem se fechar!

PORÉM VOCÊ TEM UM DEUS!

Que detém as tempestades!
Te ajuda nas dificuldades!
Guerreia contra os teus inimigos!
Você tem JESUS, que é o Sol da Justiça!
Que é teu Advogado!
E que tem em suas mãos as chaves da morte e do inferno!
E diante DELE todas as portas se abrirão!
Você pode estar enfrentando agora, a maior batalha da sua vida!
Porém, CREIA EM CRISTO!
Pois ELE está batalhando por você!
E vai te dar a vitória!

Fica com Deus!

12 de ago de 2010

Viver Triunfantemente



Se você quer viver triunfantemente, a primeira coisa a fazer é praticar a Palavra de Deus. Você não poderá viver triunfantemente no sentido completo da palavra se não amar e praticar a Lei do Senhor. Tenha prazer na Lei do Senhor e esteja previamente preparado contra os conselhos dos ímpios (Salmo 1.1,2).


Medite na Lei do Senhor e você não andará, não se deterá nem se assentará na roda dos escarnecedores. Você jamais terá uma vida espiritual decadente se meditar na Lei do Senhor de dia e de noite.


Ter prazer na Lei do Senhor é ter alegria, satisfação, vontade de obedecer e praticar a Palavra. Quando praticamos a Palavra somos como árvore plantada junto ao ribeiro de águas, que permanece viçosa e no tempo da adversidade não murcha. Ter prazer na Palavra de Deus é produzir fruto na estação própria, recebendo a bênção da vitória no tempo de Deus.


Ter prazer na Lei do Senhor é fazer com que as "nossas folhas" permaneçam firmes; folhas que realizam o fenômeno chamado de fotossíntese; que purificam o ar. São através delas que as plantas absorvem a energia solar. Se você medita na Palavra poderá absorver o poder de Deus para a sua vida.


Em Salmo 1.1,2 está escrito: "Bem-aventurado é o varão que(...) antes tem o seu prazer na Lei do Senhor...". Isto equivale a dizer: "Feliz é aquele que tem o prazer de praticar a Palavra de Deus". O salmista diz que tudo quanto o varão que medita na lei do Senhor fizer prosperará (Salmo 1.3).


Isto quer dizer que vida triunfante é vida de prática da Palavra de Deus. Seja você também como o varão citado em Salmo 1.1-3, que medita na Lei do Senhor de dia e de noite, e descubra o segredo de uma vida triunfante em Cristo.


Amém ?

6 de ago de 2010

O poder da paciência





“Porque necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, possais alcançar a promessa”. Hebreus 10:36

A Palavra de Deus promete que o homem paciente será perfeito e completo, e não lhe faltará coisa alguma. (Tiago 1:4).

Um homem paciente é um homem poderoso, mesmo que as pessoas apresentem um comportamento difícil e desafiador ele se mantém amoroso e com bons pensamentos.
Sem paciência não podemos perseverar para vermos os resultados de nossa fé. Não recebemos nada após cremos imediatamente. Existe um período de espera no tocante a receber de Deus. É durante este período que nossa fé é testada e purificada. Só experimentaremos a alegria de vermos aquilo que cremos se perseverarmos e esperarmos pacientemente.
A paciência não é apenas a habilidade de se esperar, mas também a de se manter uma boa atitude enquanto se espera. Esperar é uma parte da vida que não pode ser ignorada. Vamos passar uma boa parte de nossas vidas esperando; se não aprendermos a fazer isto bem (pacientemente), seremos miseráveis. Deus é tão paciente conosco. E devemos imitá-lo.
Se encoraje a buscar efetivamente a paciência. Isto te levará para a dimensão do poder de Deus.

Ore assim:
“Senhor, me ajude a exercitar todo tipo de paciência, perseverança e longanimidade com alegria abundante (Colossenses 1:11).

Em nome de Jesus, amém”.

Pedra Angular




Jesus é chamado de Pedra angular porque nas construções antigas, esta era a pedra de esquina que servia para alinhar toda a construção.
A escolha de uma boa pedra facilitaria a construção conforme a planta. Uma pedra fora de esquadria resultaria numa construção errada.
Se Jesus não for o alicerce, as estruturas estarão abaladas e não será possível aguentar.
Por isso é necessário que vidas abram o seu coração, para que uma estrutura inabalável seja construída por meio de Cristo Jesus. Atos 4.11-12
Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina.
E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.

3 de ago de 2010

Confiança




“Não que, por nós mesmos, sejamos capazes de pensar alguma coisa, como se partisse de nós; pelo contrário, a nossa suficiência vem de Deus”. – 2 Coríntios 3:5

Não importa o quão qualificado e capaz nós podemos ser, sem confiança não vamos fazer muita coisa.
O que é confiança? Segundo o Dicionário Priberam on - line, confiança é “entregar com segurança alguma coisa a alguém; ter confiança em acreditar; ter esperança; entregar-se”. Também significa “ter um sentimento de confiança, principalmente o de autoconfiança e segurança”.
Jesus disse: “... sem mim nada podeis fazer”. (João 15:5). Isto não significa que não somos capazes de fazer nada; significa que o que fizermos não será de tanto valor.
Precisamos chegar a um estado que evidencie nossa falência quando estamos separados de Cristo. Não importa o que somos capazes de fazer e o que não somos. Sem Deus, somos um caso perdido; com ele nada é impossível para nós. (Mateus 19:26).
Existem duas razões principais que explicam porque não somos usados por Deus grandiosamente:
1 - Pensar que somos auto-suficientes.
2 - Não sabermos quem somos em Cristo.
Tentamos realizar as coisas na carne, sem perceber que sem Deus não temos poder algum. Mas se Deus é por nós, nossas deficiências naturais não importam. Somos “auto-suficientes na suficiência de Cristo”. (Filipenses 4:13).
Seja o que for que você precisar fazer, você pode fazer porque Cristo está em você.

Faça isto:
“Lembre-se que o Senhor vê o seu coração.
Confie no amor que ele tem por você.
Saiba que você é aceito e capaz através de Cristo”.

Amo sua vida e JESUS tb.

2 de ago de 2010

Ter uma Religião ou Ter Jesus




Vou tentar aqui esclarecer o que significa ter uma religião, ou mais precisamente, ser uma pessoa religiosa.
Antes de mais nada, há algo aqui muito interessante: quando Jesus esteve aqui em carne e osso, já existia no mundo de então mais de trezentas religiões e seitas. E as que existiam nos locais onde o Mestre pisou, todas elas tentaram ser uma pedra de tropeço para Jesus (fariseus, saduceus, zelotes, herodianos etc). Ou seja, todas elas somente quiseram atrapalhar a obra salvítica que Ele veio realizar.
Para falar a verdade, elas não diferem em nada das muitas religiões que conhecemos hoje (mesmo algumas que se auto-denominam cristãs). Ainda vemos muitos "fariseus" (que virou sinônimo de hipócrita) modernos metidos a cumpridores de lei se auto-justificando por aí. São chamados também de sepulcros caiados.
E no que deu tanta religiosidade, tanto zelo? No maior de todos os crimes já perpetrados pela humanidade a um homem justo: a morte por crucificação, que era dada na época somente aos piores criminosos e monstros. Mataram o Autor da vida, justamente Aquele que nos viera mostrar o caminho para o Céu, um caminho diferente e simples, apenas apertado e estreito, do qual tentamos nos desviar de todas as maneiras por causa de nossa religiosidade.
Preferimos sempre escolher outro caminho, o nosso próprio caminho, o caminho da auto-justificação, do auto-conhecimento, do auto-renascimento, do auto-aperfeiçoamento, tudo à nossa própria maneira, para depois ainda pensarmos que somos os mais sabidões.
Vejamos o que diz a Palavra de Deus a respeito disso:

Todavia, falamos sabedoria entre os perfeitos; não porém a sabedoria deste mundo, nem dos intelectuais deste mundo, que se aniquilam; mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; a qual nenhum dos intelectuais deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca teriam crucificado o Senhor da glória (1Cor 2.6-8).

Na verdade, Jesus em nenhuma parte da Bíblia diz que Ele é a religião que devemos seguir. Vemos sempre Ele afirmando que é O CAMINHO, A PORTA, A RESSURREIÇÃO, A VIDA, O BOM PASTOR, entre tantas alegorias por Ele pronunciadas, para nos dar a entender que fora dEle não há outro nem outra solução para o problema do pecado do homem que precisa ser resolvido diante de Deus. Jesus é o Criador, o resto é criatura.
Por isso, se somos do tipo que vive se desculpando e se retraindo para poder afirmar: Eu já tenho a minha religião, estamos cometendo um grande equívoco que pode custar toda uma eternidade. Jesus não está oferecendo a nós mais uma religião, mas nos dando gratuitamente a salvação com garantia de uma vida abundante aqui e agora e eternamente.
Se pararmos para pensar um pouquinho veremos que isso não existe em nenhuma religião do mundo e nunca houve.
Jesus não nos diz que precisamos nascer e renascer em vários corpos por uma infinidade de vezes para que sejamos perfeitos. Isso é uma velha invenção do capeta que tem enganado a muitos que não examinam as Escriituras.
Ora, ora, não vamos morrer com a nossa religião (porque meu pai, meu avô, meu bisavô, meu tataravô era assim), mas vamos verificar a veracidade do que nos diz o Senhor Jesus. Não nos custa nada.
Por que deveríamos morrer na ignorância?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará (João 8:32).

Por que não ser libertado pelo Rei Jesus? Ora, não vamos cometer também o mesmo engano dos fariseus que disseram a Jesus: Nunca fomos escravos de ninguém (João 8.33)
Eles que já tinham sido escravos dos babilônios, dos persas, dos gregos, e agora eram escravos dos romanos. Mas não era desse tipo de liberdade que Jesus falava (e nos fala agora), mas da liberdade do espírito. Essa, para quem não sabe, é a verdadeira liberdade.
Não vamos nos enganar: quem não serve a Jesus, serve ao diabo. Não há outra opção. Nem existe essa coisa de neutralidade e muito menos de "ficar em cima do muro".
E aí? Será que devemos optar pela nossa religião ?
Será que devemos ficar com a tradição que nossos pais nos legaram? Ou será que o ensinamento de nossos antepassados é mais importante que o ensino do Autor da vida?
Que tal deixarmos essa nossa religiosidade hipócrita de lado e seguirmos apenas a Jesus, pois fora dEle não há a menor possibilidade de sermos salvos

(Atos 4.12).

Senhor Jesus, para quem iríamos nós? Só tu tens as palavras da vida eterna (João 6.68).